loader from loading.io

O avanço do populismo de direita

Rádio Jacobina

Release Date: 06/11/2019

O momento não parece ser dos melhores para os partidários do progresso humano. A crise de
acumulação do capitalismo global, seguida pela resposta austera e autoritária das oligarquias
mundiais, fragilizou a democracia liberal e abriu espaço para o reascenso da extrema-direita.
Foi o populismo reacionário que capitalizou em cima do descrédito das elites liberais,
avançando confiante uma mensagem violentamente pró-capitalista, ainda que virulentamente
anti-iluminista. A classe trabalhadora, com suas organizações tradicionais em decomposição,
foi levada à defensiva.

E, no entanto, o socialismo volta à pauta do dia. Volta nos discursos paranóicosparanoicos do
Trump e do Bolsonaro, mas volta também nos interesses de uma juventude enfurecida com a
falta de perspectiva, para qual a atual ordem só consegue oferecer mais precarização,
insegurança e autoritarismo. Há uma nova classe trabalhadora - – fragmentada politicamente,
mas conectada em rede - – a procura de uma alternativa frente à crise ambiental, econômica e
política que coloca seu futuro em risco.

Os socialistas do Brasil recebem agora uma nova brisa com a chegada da Revista revista
Jacobin Brasil, a publicação da esquerda radica mais bem-sucedida no mundo contemporâneo.

E como nem só de escrita vive o homem estamos afiando as guilhotinas para espalhar ideias
perigosas nas ondas sonoras e digitais da podosfera brasileira. A internet é um campo de
batalha. Escutar podcasts e programas onlines já faz parte da vida de muitos brasileiros,
principalmente dos mais jovens, daí a importância Rádio Jacobina para travar o debate
cultural, provocar novas reflexões e construir as pontes necessárias dentro do complexo, e
diverso, ecossistema da esquerda do Brasil. Seja no ônibus, no carro ou na bicicleta, sozinho
no fone de ouvido ou na caixinha de som com os amigos, o ouvinte terá entrevistas,
discussões, história, sempre com um perspectiva de classe e com uma visão de futuro,
recebendo vozes que fazem a diferença hoje no enfrentamento à tirania e à exploração em
todas as formas.

O compromisso da Rádio Jacobina é promover um diálogo entre camaradas, abraçando a
pluralidade de concepções entre as forças engajadas na luta social, e reafirmando a

necessidade de recomposição política da classe trabalhadora como a única maneira de
proteger a democracia e conquistar vitórias concretas, duradouras, para os de baixo.

Com programas quinzenais, produzidos por Daniel Corral, com a irreverente condução de do
jornalista Guilherme Ziggy, e os comentários de Victor Marques e Aline Klein, receberemos
camaradas da academia, dos movimentos sociais, das organizações de classe, para pensar
juntos os desafios do socialismo no nosso tempo.

Para nosso primeiro episódio preparamos uma conversa com a Socióloga e editora dea
Jacobin Brasil, Sabrina Fernandes, que nos contou como a revista surgiu em 2010 nos Estados
Unidos com o objetivo de inserir novamente na ordem do dia o debate do Socialismo no país e
de como em poucos anos passou a ser parte relevante dos principais debates da esquerda
radical contribuindo para o crescimento dos Socialistas Democráticos da América (DSA, na
sigla em inglês).

Na segunda parte o ouvinte poderá sentir o calor que tomou conta do estúdio quando a
pensadora internacionalista e comunicadora radical Débora Baldin e o advogado e editor Hugo
Albuquerque destrincharam o tema do crescimento do populismo de Direita no mundo. Com
provocações afiadas feitas pela nossa bancada, refletiram sobre a marcha a galope da direita
mundial pós crise econômica de 2008, e os brutais ataques aos direitos e liberdades
conquistadas dos trabalhadores.

Com ricos exemplos que vão desde a história do Freonte Nacional na França, a vitória de
Salvini na Itália, a chegada ao poder de Donald Trump, a eleição do e o desgoverno de
Bolsonaro, discutimos as contradições colocadas entre discursos extremamente
conservadores, anti-intelectuais, punitivistas, nacionalistas e religiosos com políticas econômica
liberais que garantem as margens de lucro do grande capital transnacional.

Débora também nos instigou a pensar sobre como as elites nacionais veêem se utilizando de
retóricas contra as minorias sociais que ganharam espaço nos últimos anos para galgar o
poder, e no processo intenso de cooptação das pautas de liberdades individuais pelo grande
capital.

A conversa foi brutalmente realista sobre o momento politico em que estamos inseridos, mas
sem ignorar os importantes movimentos de resistência e organização dos trabalhadores pelo
mundo, e como parte da esquerda vem reconhecendo os erros cometidos e propondo novos
caminhos.

Nenhum fascista foi poupado durante a gravação.

Para o ouvinte que gostar do primeiro programa, já está nos fornos dos estúdios da Central 3
um segundo episódio. Dessa vez preocupado em iluminar as perspectivas da esquerda
nacional. Com convidadas cheias de energia e brilho debatemos as perspectivas para a
reorganização da esquerda brasileira, e os desafios colocados para a classe no próximo
período.

Esse é um dos objetivos da Rádio Jacobina. Ser a pílula de otimismo militante aos
apaixonados pelo futuro. Lembrar que não estamos sozinhos. Que existe sim vida para além do
capitalismo. Que há alternativas, e que um outro mundo não só é possível, como é cada vez
mais urgente. Que aprender e ensinar será sempre a maior arma de libertação de todos
aqueles que lutam pela emancipação universal, assumindo a bandeira de um iluminismo
revolucionário que afirma orgulhoso: não é racional renunciar a ser livre!

Porque sim, o momento é difícil, e é preciso estar atento e forte. Mas como Rosa Luxemburgo,
dizemos: “Não estamos perdidos. Ao contrário, venceremos se não tivermos desaprendido a
aprender.”

O Socialismo vencerá.

Paz entre nós, guilhotina aos senhores!